Ser pai é desdobrar o tempo

Ser pai é desdobrar o tempo

Por: Caio Melo

Com o honorável título de pai, recebemos alguns superpoderes. Desenvolvemos velocidade, visão e audição paranormais. Ganhamos a capacidade de suportar condições em que seres humanos comuns não sobreviveriam (tipo dormir meia hora por noite ou aturar gente estranha querendo dar pitaco na educação dos nossos filhos) e ainda a de se comunicar telepaticamente. Mas o maior dos trunfos, para mim, é poder de desdobrar o tempo!

Antes de ter minha princesa, era mais ou menos assim:

Primeiro eu era um adolescente vagabundão que reclamava de não ter tempo para fazer tudo que gostaria. Mais do que tempo, faltava mesmo era grana, mas isso é outra história! Depois, como aspirante a adulto, trabalhar e estudar me deixava louco, zumbi e meio acabado.

Há 3 anos atrás, quando eu já era pré-pai (aquele momento mágico em que você só fantasia como será com sua filhota ali), um fantasma assombrava meus pensamentos: que hora eu vou ver minha filha? Eu trabalhava cerca de 52 horas por semana. Aí também tinha o tempo de deslocamento, refeições, sono… meu deus, eu vou conseguir ver minha filha? Será possível viver e ser pai ao mesmo tempo? Eu dou conta do recado?

 

Então minha princesa nasceu e, como num passe de mágica, tudo se encaixou na minha agenda e eu conseguia fazer tudo e ainda curtir minha pequenina. Tá bom, é mentira. A sensação era a de esquartejamento emocional. Estar lá querendo estar aqui, estar aqui pensando que deveria estar lá. Precisei de algumas discussões de relacionamento e surtos por falta de descanso e sono para entender que estava tudo errado.

Ser humano é um bicho engraçado, né? Como é bem típico, mudei de um extremo para outro: optei por trabalhar o mínimo para poder ficar o maior tempo possível com minha princesa. A fissura era tanta que nem fazia muita questão de sair com os amigos. Meu barato era ficar lambendo a cria! Malabarismo com garrafas de coquetel molotov é fichinha perto do que eu fiz com o orçamento pessoal e familiar. Mas, passado um período mágico de meses trabalhando só 10 horas por semana, recordei-me de que isso estava longe de ser uma condição equilibrada e saudável.

Com o coração apertado, voltei a passar mais tempo fora de casa. O trabalho mudou, a rotina também… e eu voltei a ficar longe dos meus amores.  Então tudo que eu precisava era prever o futuro para saber o último ônibus que eu poderia pegar para não chegar atrasado no trabalho e aproveitar até o último segundo em casa com minhas meninas.

Ah, o superpoder? Bem, ele até que existe. Eu descobri que consigo me arrumar e organizar a casa na velocidade da luz, fazer outras tarefas usando a força do pensamento (e de uma bela gestão do tempo) para multiplicar as horas em que brinco e curto deliciosos abraços da minha filhota! E o resto é história…

 

Caio Melo, Sendo pai descobriu um modo muito eficaz de construir um mundo melhor: cada serzinho de uma vez. Autor do blog PaisModernos, onde escreve para ajudar outras pessoas (papais ou não) a vestir essa camisa  e aproveitar ainda mais uma das coisas mais maravilhosas que os homens têm acesso: ser pai.