O que não dizer às grávidas (nem às mulheres na TPM)

O que não dizer às grávidas (nem às mulheres na TPM)

Por Roberta

Este post é dedicado a todos aqueles coitados que se enveredam na nobre tentativa de entender e decifrar o espírito feminino. São eles maridos, companheiros, namorados, homo sapiens destemidos, que se habilitam a desmitificar, compreender e aturar o longo, difícil e histérico estado gravídico feminino. Deus benza.

O que não dizer à Grávida, Capítulo 1, primeira parte.

 1. Você vai fazer xixi? De novo?

Sim, cumpadi, ela vai fazer xixi de novo. E de novo, e de novo, num abrir e fechar de zíper infinito. Grávidas passam nove meses fazendo xixi e isso inclui uma ou duas xixizadas noturnas. E é claro que ela teria plena capacidade de ir ao banheiro de madrugada em silêncio e sem acender a luz. Mas, de alguma maneira, ela vai se sentir muito melhor se você também tiver o sono interrompido. Seja solidário, acorde com ela. Mas acorde bem acordado, arregale os olhos, sente ao pé da cama e sorria. E, de maneira alguma, mencione uma reunião importante às 8:30 da manhã. A grávida tem ZERO compaixão para com seus compromissos: nem uma reunião com Barack Obama pode ser tão importante quanto a ilustre incumbência de se fabricar ser humano no próprio ventre.

2. Ah, amor, mas não dá nem pra notar.

Celulite, estria, manchas na pele, varizes – esses são alguns dos efeitos tetéia do estado gestacional. E, sim, dá pra notar. Até um abajur apagado notaria uma mancha escura que se estende do alto da testa até as carnudas bochechas do ser prenhe. O mesmo se aplica às varizes azuladas, às celulites hormonentas e às estrias na barriga. TODAS se notam. Dizer que não dá pra notar só intensifica a irritabilidade deste ser já manchado, enveiado, acelulitado e estriado que é grávida. Agora, muita atenção: dizer que você notou também não é a atitude mais acertada. Na dúvida, não diga nada.

 3. Assuma seus erros, assuma os erros dela.

Perceba: este não é o momento para racionalizar, investigar, apontar erros. Na dúvida, assuma todos. Eu tenho um amigo que passou nove meses intrigado com a histeria gravídica da esposa:

“Nada que eu faço está certo, nunca! Se eu faço, estou errado, se não faço, estou errado também.”

Isso aí, colega, é bem por aí – é uma emboscada e não há saída segura.

4. Assuma seus puns, assuma os puns dela

A mulher grávida é feito indústria irresponsável: ela não tem o menor controle sobre a emissão de gases.

De novo: este não é o momento para racionalizar, investigar, apontar a autoria do pum. Repita comigo: o pum é meu, fui eu que soltei o pum.

 5. Hahaha, amendoim com morango? Hahahaha

Não, não, não, você está fazendo isto errado, marido amigo. Chocolate e repolho, picles e doritos, pimenta baiana no suflê de queijo. Nada disso faz sentido pra você? Acredite, pra ela o que não faz sentido é ter que carregar alguém no ventre que insiste em lhe chutar a bexiga. Controle os risos e se atire, solidário, no arroz doce com quiabo.

6. Que trabalheira, amor! Não é melhor comprar isso pronto, no shopping?

Ah, não me deboche os D.I.Y, mocinho. Sua mulher está preparando o ninho e, por algum motivo, os D.I.Y. passam a fazer muito sentido. O Faça Você Mesma passa a ser muito mais importante, por exemplo, que sexo. Aliás, faça você mesmo (o tal do sexo) e deixa a rapariga curtir seus artesanatos assexuados.

7. Ah, que braço bom de apertar, todo fofinho!

Alto lá, amigo grávido! Fofinha é a almofada D.I.Y que a grávida vai arremessar-lhe às fuças. Braços roliços não deixam sua esposa se sentindo gostosona, vai por mim. Pneu lateral também não foi feito pra ser acarinhado, mantenha os dedos longe de toda e qualquer pelanca da grávida.

8. Nossa, você me passou no peso!

Acontece assim: você se joga na dieta lowcarb e perde vinte quilos. Sua esposa grávida, por sua vez, ganha 15. Não precisa ser nenhum einstein pra entender que os 35 quilos que afastavam vocês sumiram e ela passou a pesar mais que você. Se isso vier a acontecer, em nenhuma, repito, nenhuma hipótese você tem o direito de deixar com que sua esposa desconfie disso. Se preciso for reponha seu peso perdido. Aliás, a gravidez dela é um péssimo momento pra você resolver ficar sarado. Ora, francamente!

9. Ai, que exagero, amor, você tá muito sensível.

A grávida se sabe louca, a grávida se sabe sensível. Acredite, ela não precisa que você desça lá do alto do seu equilíbrio hormonal para lembrá-la disso. Então, veja: Bolo queimado, sapato apertado, guerra no Irã, novela das 8, o taxi que não vem, a chuva que cai, as margens plácidas, o povo heróico retumbante – tudo isso é SIM motivo de choro. Solidarize, chore junto, faça carinho (mas tire esses dedos das pelancas, rapaz!)

10. Não deboche, não tire sarro, a vida não é assim tão engraçada.

O ser grávido tem o seu centro gravitacional completamente alterado e, portanto, anda engraçado, dança medonho, perde a piada. Outro dia, no shopping, escutei gargalhadas histérica de ambos, marido e filho, que caminhavam atrás de mim. Eles riam tanto que não conseguiam me dizer o que estava acontecendo. Eles riam. Eles apontavam. Eles sussurravam palavras que não faziam o menor sentido:

…o seu vestido…a ponta…do vestido…enroscado…na calcinha…deixa arrumar…o vestido.

E ELES RIAM.

Ou seja, lá está a grávida, toda pinguim, toda anti-climax, toda desprovida de centro gravitacional, e com a ponta do vestido humilhantemente ENROSCADA na calcinha, deixando-lhe ao léu buracos, veias, estrias, marcas e a pouca dignidade que lhe resta.

Repita comigo, marido homo sapiens: isso não tem graça, isso não foi engraçado.

11. Outras frases não toleradas pela grávida

“Ora, isso não é motivo pra chorar!”

“Vem cá, mas é estria ou celulite que não sai nunca mais?”

“A minha mãe (mãe dele, sogra da grávida) disse que prefere que a gente coloque o nome X na criança. Eu concordo com ela.”

“A minha mãe (mãe dele, sogra da grávida) acha que a gente deveria pintar o quarto da cor X. Eu concordo com ela.

“Caraca, que catinga! Foi você?”

12. Por fim, frases liberadas:

– “Sim, senhora.”

– “Claro, amor!”

– “Mas aquilo na revista é photoshop!”

– “Você tá linda!” (a ser dito com cautela: grávidas são lerdas, não burras)

***

 Se você estiver grávida, imprima. Se não estiver grávida, imprima também – reconhecidamente útil e eficaz também durante a TPM.

*Post originalmente publicado em julho/2012

Roberta – mãe do Noah e de uma bebéia, ainda sem nome, que lhe ocupa toda extensão do ventre. Casada com um cara que já entendeu que com grávidas, mães e mulheres na TPM não se discute. Escreve também aqui.