O que fazer com as crianças nas férias – parte 2

O que fazer com as crianças nas férias – parte 2

Por: Natalie Cotuogno

Com os mais grandinhos, a supervisão necessária diminui e aumentam as possibilidades. É hora dos jogos simbólicos, das atividades físicas moderadas e de aproveitar melhor atividades que os pequenos fazem com mais limitação.

Vale a cabaninha, vale a culinária (sugeridas também para faixas etárias menores), mas com mais participação dos pequenos. “Com os maiorzinhos, na cozinha, é possível ir além de lavar a salada e descascar o ovo. Dá até para fazer um bolo”, diz Motta. Na hora do banho, é possível montar uma frota de navios ou dar banho nas bonecas.

De 3 a 6: Ao invés de comprar fantasias de príncipes, princesas, super-heróis, os pais podem deixar à mão peças de roupas deles, com as quais os filhos possam brincar, se vestir, vestir bonecos, criar personagens e histórias que ainda não existem.

A panela pode virar bateria junto com a colher pau (que serve de baqueta). Caixas de papelão se transformam em carrinhos ou em minicidades, que podem ser feitas pelas próprias crianças. “A brincadeira já começa na montagem, na pintura das caixas”, diz Motta.

Outra sugestão: a caminho do supermercado, da feira, de algum compromisso ou mesmo na volta para casa, a família pode coletar pedras, folhas diversas, gravetos. Depois, em casa, esses materiais servirão para colagens, quadros, móbiles. As crianças adoram tanto a busca quanto a confecção.

Com crianças a partir dos cinco anos, já dá para resgatar brincadeiras  tradicionais, como pega-pega, esconde-esconde, o mestre mandou. São atividades que exigem raciocínio e atividade física moderada, ideais para essa faixa etária.

Os jogos simbólicos, o “faz de conta” e a expressão artística (via desenhos, pintura, música) estão mais aguçados e sofisticados. Daí que é um bom momento para brincar com instrumentos musicais infantis, teatrinho, jogo de papeis (fazer de conta que é a mamãe, por exemplo).

De 6 em diante: Alfabetizadas ou em processo de alfabetização, é bacana oferecer atividades ligadas às letras.Por exemplo, a criança pode escolher um livro de sua preferência para montar um pequeno teatrinho para a família. A peça pode ser um projeto semanal, por exemplo, e a criança será estimulada a preparar tudo: roteiro, diálogos, cenário, figurino (com as roupas dos pais, panos velhos, lençóis).

Dos 8 em diante, é possível começar a estimular o uso dos jogos de tabuleiro, que estimulam o raciocínio e ajudam a criança a entender melhor as regras.

“Acho muito interessante também provocar a criatividade dos pequenos nessa fase com o ‘e se…’. Sempre faço isso com minha de dez anos e aprendo muito com as respostas dela. A brincadeira consiste em elaborar hipóteses e ver como as crianças completam o cenário, perguntando, por exemplo: ‘e se o mundo virasse de cabeça para baixo?’”, sugere Luciane Motta.

“É possível enriquecer as férias, divertir as crianças e reduzir o tempo de exposição delas à TV com coisas simples que temos em casa”, lembra Telma Scott, do Instituto Sidarta.

 

Leia mais:

O que fazer com as criancas nas férias – Parte 1 (sugestões para crianças de 0 a 3 anos)

 

Natalie Catuogno, 32, é mãe do Enzo, jornalista, louca por livros. Escreve sobre maternidade no blog www.maederna.wordpress.com