Operação de fimose: é tranquila ou posso entrar em pânico?

Ser mãe de menino é conhecer toda uma nova abordagem para lidar com o pinto alheio.

Nessa abordagem você descobre que o pintos humanos nascem meio enforcadinhos e pelancudos, coitados. Palavras como “prepúcio” e “glande” viram rotina nas consultas pediátricas. Você aprende que é normal que a abertura do prepúcio seja bem estreita e que ela vai “lacear” com o tempo. Ou não – e aí o médico te diz com a cara mais lavada desse mundo que quer meter a tesoura nas partes pudendas do seu filho! Céus!

Quem aí já encarou uma operação de fimose? É tranquila? Vale a pena? O pós-operatório é complicado?

E os tratamentos alternativos – massagens, pomadas -, alguém tentou? Eles resolveram?

E a mãe segurar o choro marcando a cirurgia enquanto vê a criança brincando toda desavisada na sala de espera, é normal? Ela precisa de terapia?

Dúvidas, muitas dúvidas.