Fórum MMqD

Minha filha bate em outras crianças

Na semana passada o tema do fórum era relacionado ao medo que toda mãe sente ao pensar que seus filhos possam ser vítimas de qualquer tipo de violência e não saibam se defender (clique aqui para ver o fórum).

Mas e quando é seu filho que demonstra um constante comportamento violento?

A Juliana nos mandou um email pedindo ajuda de outras mães que já tenham passado justamente por isso:

"Depois de ler o fórum da semana passada me deu vontade de abrir meu coração pra vocês: Minha filha de 3 anos bate, morde e empurra crianças da idade dela ou até um pouco menores. Antes que vocês me odeiem - Não, ela não aprendeu em casa pois violência na minha casa é INEXISTENTE. Sinto um constante ar de reprovação de outras mães, como se a culpa fosse minha. Já fui chamada pela diretora da escola e também percebi que as outras crianças começaram a isolar a minha filha. No mês que vem vou levá-la a uma psicóloga mas acho que só quem já passou por isso pode me entender e, quem sabe, me ajudar."

Alguma de vocês já passou por isso ou pode dar uma sugestão pra Juliana?

9 Comments
    • Érica Vanessa

    Olá, tenho um filho de 3 anos e o meu marido um sobrinho de 3 anos e meio, este sobrinho dele é extremamente agressivo, empurra, bate, o que tiver na mão arremessa, e o pior não consegue se divertir quado tem outras crianças, ele fica tenso só pensando em quem vai bater, geralmente é no meu filho pois o mesmo não se defende e não revida ( eu já mandei descer a mão). Mas voltando ao caso sinto muito pelas mães que sofrem com a agressividade dos filhos pois em muitos casos a violencia não começa em casa e aí a gente não sabe de onde vem essa agressividade. Minha cunhada já levou no psicologo, conversa, mas não está adiantando. O problema que estão se afastando dele aos poucos pois nenhuma mãe quer ver seu filho apanhando né. Mas boa sorte as mães que estão passando por isso e olha só mesmo conversando que vão conseguir passar por isso.

    Responder
      • Ana Beatriz Castro

      Acho muito forte a palavra "agressividade/agressivo" constante no seu post.
      Não vamos estigmatizar uma criança que está passando por um processo de desenvolvimento....

      Responder
    • Ana Beatriz Castro

    Juliana,
    É tão difícil falar sobre esse assunto, pq ainda mexe MUITO comigo. Tive um processo semelhante ao seu, meu filho de 2 anos, empurrava outras crianças MENORES. E é claro que eu tinha certeza que a culpa era minha, só não entendia de onde vinha já que violência em minha casa é zero tb. Pensei q podia ser reflexo do que estava acontecendo na escola( e aí mais um sentimento de culpa, já q eu q o estava colocando nessa situação vulnerável). Li muitos textos de Winnicott, participei de todas as questões relativas em grupos de mães e enfim resolvi pedir ajuda à escola... E foi a melhor coisa q eu fiz, primeiro pq a escola do meu filho trata o assunto com muita naturalidade, me senti a vontade e acolhida. Eles explicaram que é um processo natural de desenvolvimento da criança, uma forma de chamar a atenção, por exemplo, uma forma de demonstrar insatisfação pq a criança na verdade não conhece outros recursos para isso...
    Me convenceram a fazer o seguinte:
    #Primeiro relaxar, respirar fundo e entender q o processo é longo , que eu teria q ter muita paciência e não posso trancar meu filho em casa durante, q iria passar por essa situação outras vezes.
    #Tentasse ser uma mediadora entre as crianças, mas isso não significa estar no meio blindando meu filho e sim o ajudando a se exprimir melhor. Do tipo: "Olha filho, uma criança, conta pra ela seu nome, chama para brincar..." , entendeu?
    #Quando o episodio repetisse, tirar meu filho de cena, pedir desculpa para a outra criança e outra mãe, e falar com MUITO carinho(porém de forma concisa) que aquele comportamento não era tolerado em nossa família, que outras crianças servem para abraçar, beijar, brincar e não para empurrar ( colocando o positivismo sempre antes)e tentar não dar enfase nesses episódios, eles falam q quanto mais a gente chama atenção mais a gente reforça a atitude. E ajudá-lo a entender o sentimento, se exprimir.

    Aqui em casa as coisas melhoraram demais, principalmente depois que eu relaxei, quando perguntei na escola se meu pequeno precisava ser encaminhado à um psicologo ele me sugeriram eu procurar um primeiro. Na hora fiquei meio assustada, mas hj eu entendo. A partir do momento que eu comecei a me culpar menos, eu comecei a conseguir ajudar meu filho nessa fase tão chata!!

    Vamos que vamos!!

    Responder
  1. Minha filha também tem dessas de bater, morro de vergonha, pq tem mães que não compreendem, mas o que eu faço é conversar com ela e tento explicar que bater não é a melhor alternativa... Mas criança tem dessas, e eu acho que a sua ideia de levá-la a um psicologo foi muito boa, pois ajuda profissional sempre é bem vinda, e escrever aqui também foi muito bom, porque Juliana as vezes pensamos que é só na nossa casa que as coisas acontecem, mas quando descobrimos que centenas de mães passam pelo mesmo perrengue, parece que temos mais força para resolver o nosso problema...
    bjussss

    Responder
    • Deborah

    Acho que nem sempre é caso de ver agressividade em casa e copiar, mas talvez a criança esteja triste ou sinta vergonha de alguma coisa... Às vezes as crianças não sabem expressar como se sentem e acabam extravasando isso através de agressividade e raiva. Tenho um priminho que passou por essa situação... Ele tinha um probleminha no pênis e se sentia mal com isso, ficava com vergonha... Depois da cirurgia ele melhorou 100% o comportamento. Ele era agressivo porque não se sentia bem consigo mesmo. Quem diria?

    Responder
    • Larissa Farias Oliveira

    Juliana sua filha está passando por uma fase, somente uma fase. É difícil, eu sei, pois o meu já passou por ela, mas eu te garanto: Passa. Como a Ana Beatriz falou: Não é agressividade, é uma etapa do desenvolvimento dela, ela está aprendendo a lidar com suas frustrações, com seus limites. Feche os olhos para os outros, as pessoas julgam demais, mas não esquente. Toda a solução está entre vocês duas. Abaixa, olha nos olhinhos dela e explica que não pode, mas sempre dizendo o quanto ela é linda, que ela é legal, termine tudo com um forte abraço e te dou a certeza de que ela vai melhorar. Meu filho era assim também e quando coloquei isso em prática foi a solução para tudo. Hoje em dia, ele está com 4 aninhos, ele ensina ao amiguinhos que não pode. E o mais importante não deixe que ninguém fale na frente dela que ela é agressiva ou qualquer coisa do tipo, eles se tornam aquilo que afirmamos que eles são, se dizemos que são agressivos, serão. Boa sorte!

    Responder
    • Glaucia

    Meu filho tem 3 anos e é meio abrutalhado em suas brincadeiras. Ele tem mania de empurrar crianças pequenas mas na intenção de começar uma brincadeira de pega-pega com elas.
    Nesse fim de semana, estávamos em uma pizzaria lotada e meu filho empurrou uma menina da mesma idade dele. Os pais tiveram um chilique, chamaram o garçom para me dar uma dura, mas eu relevei e relaxei. Mesmo eu conversando com o meu filho, o episódio se repetiu e o pai da menina chamou a minha tia e ficou bravo com ela. Eu já estava me sentindo impotente diante àquela situação mas comecei a ficar estressada. No momento em que eu fui próximo à mesa do casal com a menininha, o casal começou a proferir palavras de ofensa contra a minha pessoa. Eu tentei contornar a situação mas eles estavam irredutíveis. Aí comecei a gritar muito mais alto que ele, perdi as estribeiras meeesmo! Disse que eu passando por tratamento de depressão, síndrome do pânico e ansiedade, pois meu marido está com câncer, sou sozinha e cuido do meu filho sozinha hoje. Enfim, resumindo a história, eles se sentaram, abaixaram a cabeça e agora vão pensar duas vezes antes de falar do filho dos outros, porque as pessoas julgam sem saber o que a outra pessoa está vivendo. Eu não apoio o meu filho a empurrar crianças, mas os pais tem que compreender que são crianças e que elas brigam, daqui a pouco estão se abraçando, e os pais que ficam com cara de tacho.
    Mesmo assim, vou procurar ajuda psicológica para o meu filho e para mim também, pois eu saio de mim quando um episódio desse acontece e nem dá mais vontade de sair de casa. Dá vontade de viver numa redoma fechada.

    Responder
      • Débora

      Boa Tarde pessoal

      Eu como muitas de vcs estou com um problema, que pode sim ser comum, mas é difícil para quem vive lidar com ele.
      Meu filho de 2 anos e 9 meses, dês de novinho tem mania de puxar cabelo de outras crianças, a nossa família tbm não existe esse tipo de coisa, então passamos por situações complicadas, como vi acima e concordo, tem mães que olham como se eu fosse culpada, tento corrigir, converso, peço desculpas, falo p ele pedir desculpas tbm, e é tão rápido, que quase tenho que ficar segurando a mãozinha dele o tempo tdo, um minuto de distração e ele puxa novamente. É difícil saber como agir...

      Responder
  2. Boa noite, tenho um filho de sete anos, e desde pequenino ele bate nas crianças, já passei por vários apuros em reuniões de escola, pois em casa não há sinal algum de violência... Tive que tirar ele de uma das escolas, pois a direção disse que não poderia ficar com ele tendo esse comportamento. Sempre me importei muito com o assunto, mas acho que nunca consegui lidar com a situação, sempre conversamos muito com ele, mas parece que não adianta, pois no dia seguinte acontece a mesma coisa. PRECISO DE AJUDA URGENTE.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>