de paixão à profissão

de paixão à profissão

Por Mari.

A questão maternidade X carreira é talvez o maior conflito da mulher dos tempos modernos. Em pleno século XXI, trocar uma profissão pela integral dedicação aos filhos e família, seria um retrocesso?! Depois de gerações de outrora lutarem tanto pelos nossos direitos, pela igualdade dos sexos no trabalho, deixaremos tudo de lado para voltar ao tempo?!

Essa era minha visão de uma mulher de 20 e poucos anos no auge das conquistas profissionais. Fui mãe cedo, aos 20 anos me vi grávida e sozinha. Trabalhar não era opção, era sobrevivência! Mas a independência sempre me fascinou. Eu jamais, nem nos meus sonhos mais surreais, poderia me imaginar uma mãe 24hrs. Nunca. Maternidade X filhos, sempre foi muito bem resolvido em mim.

E como sempre meus planos tomaram um sentido completamente oposto e inesperado. Minha vida sempre foi assim, nunca sei onde vou chegar e isso quem me mostrou foram os anos vividos. Então 7 anos depois, engravidei novamente! Gêmeos!

Eu jamais cogitei a hipótese de abandonar o trabalho. Depender de homem, eu!? Impossível! Até que a vida me , briga a ir na contramão. Tive duas ameaças de aborto. Repouso absoluto, até os 7 meses quando eles nasceram prematuramente… Foram semanas de internação em uma UTI neo natal, o suficiente para fazer eu repensar toda minha vida. No o final da licença maternidade, eu já sabia que não voltaria ao batente. Foi uma difícil adaptação na nova rotina. A palavra ‘dona de casa’ me assustava um pouco.

Descobri um outro mundo, o mundo das mães em tempo integral e de uma criança com necessidades especiais, já que um de meus gêmeos é portador de paralisia cerebral. E aprendi que é possível sim ser mulher e namorada ao invés de só mãe, basta olhar para si mesma. Durante 4 anos vivi genuínamente esta aventura de criar cidadãos de bem, educar, ensinar, delegar, conduzir, administrar, e me vi imensamente feliz assim! Cumprir horários, ter chefe não fazia mais minha cabeça. Ao contrário, me dava calafrios em pensar.

E nesses últimos 4 anos de reviravolta, como mãe em tempo integral, tive um hobby, uma paixão paralela. A fotografia. Mergulhei nesse mundo de cabeça mais uma vez sem saber onde ia parar como quem se entrega a um grande amor. Nunca tive a pretensão de me tornar uma profissional da área, mas quando me dei conta, estava estudando, investindo, me profissionalizando e hoje dou meus primeiros passos em uma nova carreira. Fotografo principalmente crianças e gestantes, um universo que conheço bem, em encontros descontraídos e espontâneos do qual chamo de “Photomeet”.

Continuo me dedicando a família. Amo fazer feira e supermercado, levar e buscar meus filhos na escola, sair sozinha como apenas um simples casal com meu marido. Mas hoje posso controlar meus horários, dias trabalhados, fazer projetos a longo prazo, trabalhar para mim dentro das minhas possibilidades e não de um patrão. Sem pressões. Sem estresse. Posso afirmar com todas as letras que me sinto plena e estou no auge da minha felicidade, fui mais além do que sonhei. Unir família e profissão em uma harmonia constante é um desejo realizado. E ainda me divirto fazendo uma das coisas que mais amo no mundo: Fotografar!

Mari, mãe-mulher-esposa-donadecasa-carioca-fotógrafa-botafoguense-personalstylistdazamigas-mestrecuca e muito mais! Nas horas vagas (e sobra alguma, Mari?) ela escreve no Diário de uma mãe polvo!