Cadê meu bebê?

Cadê meu bebê?

Por: Rosane Martins

Outro dia encontrei com uma conhecida e seu bebê que está com uns 6 meses. Falamos de amamentação, dos dentinhos, das papinhas de frutas e a conversa rolou solta. Até que ela me fez a seguinte pergunta: “Ah! Rosane, seu filho já tá tão grandinho, você não sente saudade de quando ele era bebê?”.  Pessoal, travei! Dei uma resposta “nada com coisa nenhuma” e desconversei.

É lógico que depois fiquei com isso na cabeça e cheguei a conclusão que cada fase da criança é especial com suas coisas boas e suas durezas. Ter um bebê para cuidar não é fácil. Significa noites mal dormidas, horas amamentando, muitas trocas de fraldas por dia, choro de cólica, choro de fome, choro de birra … Mas vamos combinar que não tem nada mais gostoso do que ter aquele bebezinho no colo te olhando como se você fosse a “melhor coisa do mundo”, sem nem ligar se você fez o cabelo, fez as unhas, tá arrumada. Sem contar que cada dia é uma novidade, tem o primeiro sorriso, a primeira travessura, a primeira vez que cai da cama (todas as crianças caem da cama pelo menos uma vez na vida!), a primeira papinha. Esses momentos são inesquecíveis e vão fazer parte da história da família para sempre.

Confesso que estou gostando muito dessa fase dos 5 anos. Nessa idade a criança já tem uma certa independência e autonomia para fazer várias coisas (come sozinha, já largou as fraldas há muito tempo, dorme a noite toda), mas ainda tem aquela coisa de carinho, de ficar agarradinho, de querer colo de mãe. Estou aproveitando bem porque sei que em breve, ele não vai querer mais meus carinhos em público, vai ficar com vergonha quando eu começar a gritar lindo! lindo! nas  apresentações da escola, nem vai querer jogar futebol comigo no play. E ainda vai ter aquele dia que ele vai arrumar uma namorada que provavelmente vai me chamar de tia e eu vou ter vontade de falar para ela: -“Tia é a sua avó, é DONA ROSANE”.

 

Ai Meu Deus! Cadê meu bebê??????

 

Rosane, mãe do Renato de 5 anos. Além de escrever no blog “criando menino” contribuo dividindo minhas experiências sobre gravidez e filhos no blog de uma amiga o “Tudo Junto e Misturado” da Ale Carnevalli.