As melhores viagens com crianças: Itacaré

As melhores viagens com crianças: Itacaré

Por: Pati Papp

Fomos para Itacaré num Ano Novo, quando o Pedro tinha 4 anos e meio. Estávamos em 7 pessoas e escolhemos alugar uma casa ao invés de ficar num hotel. A casa era simplesmente um sonho (um hotel do mesmo nível seria bem mais caro) e tinha serviço de quarto, então tinhamos privacidade e conforto sem gastar demais.

Itacaré - casa

A casa ficava num lugar bem prático (Concha). Para quem não está em excursão e pretende conhecer as praias e fazer as trilhas é indispensável se programar um pouco. Para chegar em algumas praias, além das trilhas, é necessário usar algum meio de tranporte. Nós não alugamos carro, neste caso, basta ir em uma das dezenas de agências de viagens (tem uma a cada 50 metros) e agendar para que uma van te leve até a trilha. Geralmente um guia da agência faz a trilha com você. Caso você esteja com crianças pequenas, ele acaba ajudando a levar a criança na garupa.

As trilhas variam bastante de praia para praia, algumas são bem abertas, algumas são curtas, outras longas, mas TODAS valem muito a pena. Quanto mais difícil o acesso, menos estrutura e menos gente.

Praias:

Fomos em uma praia diferente por dia, talvez eu tenha trocado o nome de uma pela outra, mas garanto que todas são paradisíacas.

Coroinha: é a praia da vila, de onde saem os pescadores, cheia de barquinhos. Dali saem alguns passeios para a cachoeira e para o mangue.

Concha: onde passamos o ano novo. É estreita e sem graça. Apinhada de gente, música alta, bem turistona. No cantinho fica a ponta do Xaréu, um lugar bem bacana para ver o pôr-de-sol.

Resende: Dava para ir a pé da nossa casa, é uma boa caminhadinha, mas pela rua mesmo (não é uma trilha). A praia é muito bonita, com coqueiros enormes, água transparente e calma e abacaxi descascado na hora. No final da tarde há várias rodas de capoeira.

Tiririca: é um pico de surf bem bacana, mas não deixa de ser uma praia gostosa para famílias. Minha mãe se queimou com uma água marinha nesta praia, então ficamos meio traumatizados.

Praia de São José: é maravilhosa, um praião, sem estrutura, areia branca e a sombra dos coqueiros. Alguns resorts como Iracaré eco Resort ficam ali, mas não dá para ver da praia. Não tem estrutura nenhuma: só água de coco, abacaxi cortado na hora.

Prainha: um pedaço do paraíso, é considerada uma das praias mais bonitas do Brasil. Para chegar lá é necessário andar 40 minutos por uma trilha que começa na praia da Ribeira.

Siriaco: Uma mini praia, muito bonita, 10 minutos de caminhada da Ribeira.

Praia do Jeribuacu: Para chegar lá é necessário passar por uma trilha que fica numa fazenda (particular). Não tem estrutura nenhuma: além da água de coco e do abacaxi cortado na hora, só e tapioca de queijo. Como o acesso é difícil, ela está quase sempre meio deserta.

Itacarezinho: longa, tem restaurante com estrutura. Uma filial da creperia Tio Gu fica ali durante a alta temporada.

Praia da Engenhoca: A trilha de acesso à praia é considerada uma das mais bonitas e tem vários pontos de onde é possível observar o costão rochoso e o mar. Só pode ser feito a pé passando por uma área particular. A trilha tem início no km 12 da a estrada que liga Itacaré a Ilhéus.

Restaurantes:

A rua principal se chama Pedro Longo. Ela é cheia de barzinhos e restaurantes, comi bem em vários deles, escolhidos aleatóriamente. À noite a rua vira um agito e as lojinhas abrem.

No supermercado que fica no fim da rua eu comprei a melhor granola que eu já comi na vida !

A Creperia é bem gostosa.

Fui num restrauten que eu amei, pela comida e pela decoração, mas quando fui procurar o link para incluir aqui, descobri que ele não existe mais!! O nome era Dedo de Moça, parece que as moças agora se mudaram pra São Paulo!

Resorts

Para quem não curte alugar casa, Itacaré tem dezenas de opções de pousadinhas e alguns resorts excelentes, de forma geral eles são charmosos e caros. Nunca fiquei, mas acredito que Txai e o Itacaré Eco Resort sejam bem gostosos.

Para ver outras viagens e dicas da Pati, clique aqui.

Pati Papp – Mãe tem destas coisas. De enlouquecer, de perder a razão, de ter orgulho demais, de amar demais, de achar que tudo da trabalho demais. Eu sou cada vez mais mãe. Mãe do Pedro e da Luiza. Moro numa chácara, coisas de mãe, achar que criança tem que pisar na grama. Viajo com eles sempre que posso. Viajo sem eles também, fico com saudades, coisa bem de mãe. Mas não deixo de viajar. Autora do blog: Coisas de mãe e do livro (!) Crianças a Bordo – Como viajar com seus filhos sem enlouquecer.

 

*(desculpa – não resisti!)

– O João que foi pra Itacaré no verão passado tem uma coisa pra acrescentar a esse post.

Que beleza!!! from Astronauta on Vimeo.