Da serie:  “Desmitificando os mitos”: Amamentação prolongada vale a pena?

Da serie: “Desmitificando os mitos”: Amamentação prolongada vale a pena?

Por: Rosane Baldissera

Como algumas de vocês já sabem, iniciei o planejamento da minha gestação para este ano, realizei meus exames pré-gestacionais e fui bem feliz dar a notícia para a minha ginecologista (de que quero engravidar depois de vários anos de casada). Na sala de espera do consultório, havia quatro mulheres aguardando a consulta. Duas delas estavam conversando sobre o sexo do bebê, pois estavam com 14 semanas de gestação (pena que uma foi chamada para atendimento, então ficaram três mais eu). Uma senhora estava no cantinho em silêncio. E a quarta (também gestante), estava escutando tudo, mas sem opinar. Eu fiquei bem quietinha e lá pelas tantas, me meti no assunto e lancei a pergunta ao ar: o que vocês pensam em relação à amamentação?

Bah…. (bem gauchesco) que pergunta complicada essa né!!!

Mas a primeira coisa que pensei: vou escrever sobre isso no meu próximo post, fiquei muito animada em iniciar um bate-papo na sala de espera sobre amamentação.

Uma delas me disse (a que estava sem falar): “Eu vou amamentar somente até os seis meses e já está mais do que bom. Sou uma mulher moderna, e, além disso, amamentar mais que isso não tem nenhum benefício para o bebê. Amamentei meu primeiro filho até os seis meses, é já foi o suficiente”.

A outra gestante disse que no mínimo seis meses, mas que como ela teria que voltar a trabalhar com cinco meses, não conseguiria manter a amamentação.

E eu olhei para a senhora, e perguntei se ela havia filhos e se havia amamentado. A resposta foi adorável para mim, ela teve quatro filhos, e todos foram amamentados por mais de dois anos. Disse que antigamente as mulheres amamentavam por muito tempo, que não tinha essa história que existe hoje das mulheres modernas. E mais, disse que ela sempre trabalhou, e que conseguiu manter a amamentação de todos, que ela saia do intervalo do trabalho e ia para a escolinha amamentar, e que quando chegava cansada do trabalho, ela e seu filhote tinham o momento só deles, momento único, de aconchego e muito carinho. Nossa, eu fiquei tão emocionada de escutar, e as outras mães também ficaram. Tanto que orientei uma delas a manter a amamentação na volta ao trabalho, e ela adorou saber que poderia manter a amamentação.

A outra olhou para mim e disse: mas qual a tua opinião em relação à amamentação? Quanto tempo é ideal?

Eu sou a favor do desmame consciente e natural, ou seja, quando a mãe decide juntamente com o bebê. Os dois sabem exatamente o momento de parar. Sem traumas para ambas as partes. Agora, que a sociedade é muito preconceituosa com a amamentação prolongada, ah, isso é. Cada um escolhe o que é melhor para si, inclusive a amamentação. Pergunto-me porque as mães que amamentam por mais tempo (acima de um ano) são tão crucificadas? Já que o normal e indicado é amamentação até os dois anos ou mais?

Nossa sociedade impõe regras cruéis, e aceitamos isso tranquilamente. Ainda existem profissionais da saúde que dizem que amamentação depois de um ano não serve pra nada, e pior, dizem que faz mal? Como assim??

Estudos e mais estudos científicos estão provando os benefícios da amamentação prolongada, vou citar algum deles (para não ficar extenso):

O leite materno durante o segundo ano de vida é muito similar ao leite do primeiro ano. No segundo ano de vida, 500 ml de leite materno proporciona à criança: 95% do total de vitamina C necessária (pensem bem, quase a necessidade diária de vitamina C diária, ou seja, mais imunidade para a criança); 45% do total de vitamina A necessária (metade da necessidade diária, visão e imunidade); 38% do total de proteínas necessárias (nutriente essencial para os músculos, e percebam o alto percentual de proteínas em apenas 500ml de leite materno) e 31% de calorias necessárias no dia (energia que dá gosto, kkkkk).”

Os fatores de imunidade do leite materno aumentam em concentração, à medida que o bebê cresce e mama menos. Portanto, crianças maiores continuam a receber os benefícios da imunidade (ou seja, menos doenças).”

Quanto mais tarde se introduzir leite de vaca, e outros alimentos alergênicos, menos probabilidades essas crianças terão de apresentar reações alérgicas.” (para que introduzir o leite de vaca a um bebê, e expor o mesmo a inúmeras reações alérgicas, se a mãe tem o leite próprio e ideal para seu bebê?)

Existem tendências estatisticamente significantes para que a desordem na conduta (da criança) diminua com o aumento da duração da amamentação. Mamar durante a infância ajuda os bebês a fazer uma transição gradual no desenvolvimento da sua personalidade individual e maturidade.”

Amamentar é atender às necessidades de dependência da criança, de acordo com o tempo único da criança. Esta é a chave para ajudar a criança a alcançar a sua independência. As crianças que conquistam a sua independência em seu próprio ritmo são mais seguras dessa independência que as crianças forçadas a isso prematuramente.” (isso contraria tudo o que dizem, não é?)

E existem tantos outros benefícios que não citei aqui. Agora me respondam: com tudo isso, porque não amamentar o bebê até dois anos ou mais? O que impede a mãe? Sei que existem vários motivos, sei que algumas mães não querem amamentar por muito tempo, respeito a decisão de cada mãe. Onde não existe mais prazer para uma das partes, a relação deve ser repensada, mas gradualmente, sem interrupções abruptas, com planejamento.

Para aquelas mamães que amamentaram ou amamentam por dois anos ou mais, meus parabéns com estrelinhas, porque percebo o quanto é difícil ultrapassar as barreiras da sociedade. Mamães empoderadas!!!

Para as gestantes, espero que sejam bem conscientes de todos esses benefícios e que sigam o exemplo das guerreiras acima! Amamentação prolongada, benefícios para o resto da vida!
Para as mamães que não conseguiram amamentar, por qualquer motivo, meus sinceros votos de que da próxima gestação (se houver) que se informem e procurem ajuda de profissionais especializados em amamentação. E aquelas que não terão mais um bebê, que pelo menos apóiem suas amigas gestantes na amamentação!

E para aquelas que não querem ou não amamentaram porque não gostam, ou que os peitos irão cair, ou que é feio amamentar (respeito as opiniões, mas não aceito)….minhas condolências, pois nunca tiveram um contato íntimo e profundo com seu serzinho!!!

Para finalizar, coloco este parágrafo que retirei de um site e que gostei bastante:

“Através da amamentação, a mãe recebe uma resposta da boca do seu filho, das mãos dele, do corpo e dos olhos dele. Isso dá a ela informação sobre como ele se sente e sobre o que ele está fazendo. Quase todas as mães que amamentam até mais tarde, afirmam que esta intimidade com o bebê é o elemento mais satisfatório da amamentação. Quando a mãe tem este tipo de prazer, transmite, por sua vez, ao seu filho. Os sorrisos dela, as carícias e o relaxamento do seu corpo, tudo isso ajuda a tornar a experiência da amamentação mais agradável, e para o seu filho, também.”
Abraços a todas!

 

Nutricionista Rosane Baldissera

Consultora em Amamentação – Porto Alegre/RS

Fones: (51) 95329195 ou 91684658

www.mamaebebeamamentação.com