A importância do brincar – Porque brincar é coisa séria!

A importância do brincar – Porque brincar é coisa séria!

Por: Talita Guedes Bittioli

 

Só as crianças sabem o que procuram, disse o principezinho. Perdem tempo com uma boneca de pano, e a boneca se torna muito importante, e choram quando a gente toma…
– Elas são felizes… disse o guarda-chaves.

(O pequeno príncipe – Antoine de Saint-Exupéry).

Elas são felizes… crianças são felizes!

Crianças são genuínas e sabem valorizar aquilo que realmente importa. E a forma mais sincera delas demonstrarem isso, é brincando.

O brincar é mais que gostoso, é fundamental. Brincar envolve aspectos emocionais, físicos, cognitivos, sócio afetivos e motores. É importante para que a criança se desenvolva de forma adequada, integral, completa e cresça saudável, tornando-se um adulto com habilidades necessárias.

E não é preciso ‘inventar moda’ na hora de brincar! Claro, os brinquedos sofisticados de hoje em dia são bacanérrimos, mas, brincar vai muito além de tecnologia de ponta e pode ser bem simples. O importante é o brincar, não o brinquedo.

As crianças falam ao brincar. Demonstram sentimentos, angústias, alegrias, medos, raiva e se expressam através de desenhos, jogos e brincadeiras diversas. É um momento só dela, onde realidade se mistura com fantasia e ela pode ser quem ela quiser e que permitirá a revelação de suas relações com o mundo e consigo mesmo.

Percebem a importância?! Brincadeiras não existem para ‘distrair’ crianças, passar o tempo, não é perda de tempo. Elas são essenciais, regulam os comportamentos, ensinam sobre a vida, desenvolvem habilidades, estimulam o raciocínio, trabalham os músculos e o crescimento físico, despertam emoções, exercitam a imaginação, favorecem a curiosidade, inspiram a inteligência, abrem os olhos pras diferenças, incitam à criatividade, ensinam respeito ao próximo e ao meio ambiente, auxiliam na concentração, movimentam o corpo, trabalham a socialização, apresentam o mundo! Brincar é muito sério! Brincar é um direito da criança, como apresentado na Lei 8.069, de 13 de Julho de 1990, denominada como Estatuto da Criança e do Adolescente, no Capítulo II, Art. 16º, Inciso IV.

Dia desses assisti um filme encantador, que indico muito: “O menino de Ouro” (Foster – Reino Unido 2011). A história é linda e trata de um assunto delicado: a perda de um filho de um casal, que não consegue engravidar novamente, no qual a esposa tem uma Loja de Livros Infantis (mas não os lê) e o esposo tem uma Fábrica de Brinquedos (mas não brinca). Um ‘anjo’ chamado Eli é ‘adotado’ por eles, e os devolve a vida, através do brincar! Eli leva os novos pais a um Parque de Diversões e eles passam o dia brincando e redescobrindo a paixão pela vida. Brincar é viver. Pra crianças ou adultos, é excepcional. Existem muitos tipos de brincadeiras, algumas exigem a presença de grupos, outras são solitárias, outras precisam de observação constante, mas todas têm seu significado e importância.

Como dizia o ‘Pequeno Príncipe’, os adultos se acham sérios demais e se perdem por conta disso. Perdemos o brilho, perdemos esperança, perdemos amor quando paramos de brincar. Os pais precisam brincar com os filhos, pois são exemplos para os pequenos. Pensamos que não, mas as crianças são ‘radares’ ligados o tempo todo nos comportamentos e atitudes dos pais e dos adultos que convivem em torno delas. É preciso participar do momento lúdico dos pequenos e, quando eles crescerem, também! Quando seu filho se tornar um adolescente e pedir um skate, compre dois e vá brincar com ele! Brincar juntos aumenta o grau de confiança e fortalece o vínculo entre pais e filhos.

Você brinca com seu filho? Você investe tempo nisso? Você sabe quais brincadeiras são importantes e/ou necessárias para o quê e em quais idades? Vejamos:

Até os 2 anos de idade:

A brincadeira precisa estimular os sentidos do pequeno. A criança está na fase sensório-motora e é preciso muita cor, música e expressões faciais. Objetos de texturas, tamanhos, cheiros e cores diferentes para a criança segurar, apertar, passar as mãos e até colocar na boca. Brinquedos de empilhar, encaixar, movimentar com as mãos, chocalhos, bolas. Contar histórias representando os acontecimentos citados de forma alegre e divertida. Objetos de puxar e empurrar que desenvolvem o equilíbrio e os músculos. Brincar de apontar e falar as partes do corpo e objetos ao longe. Não se engane, a criança entende muito bem o que você está fazendo! É preciso muita, muita, muita repetição! A música desenvolve a linguagem e os livrinhos são importantes para eles se familiarizarem com as letras, preparando-os para as próximas fases. Coloque a criança no espelho e o apresente para ele mesmo! Caixas com brinquedos variados para a criança tirar e guardar de volta. Utilize barra de apoio na parede para estimular a sustentação do corpo, a coragem de se arriscar a levantar e brinquedos que estimulem a curiosidade.

De 3 a 4 anos de idade:

Nessa fase começam as brincadeiras de faz de conta e é comum a criança repetir tudo que vê os adultos fazendo e representar cenas de seu cotidiano. É a idade em que as meninas querem ser princesas e os meninos, super heróis. É uma idade bacana para aprender muitas coisas, inclusive, senso de responsabilidade. É possível brincar de casinha, escolinha, atividades de profissões, bicicleta, e atividades diárias dos adultos. Essas brincadeiras permitem que as crianças se relacionem com problemas e soluções que passam do fazer imaginário para o aprender real. É importante incluir brincadeiras que exigem mais coordenação motora, brincar com baldinhos na areia e montar quebra-cabeças com peças grandes, por exemplo. Brinquedos de montar e desmontar e bonecos com roupas fáceis de serem tiradas e vestidas. Pentear, despentear, fazer e desfazer. Atividades que desenvolvam percepção espacial e equilíbrio. Caixas grandes para ele entrar e sair, piscina de bolinhas, pula-pula, piscina. Brincadeiras de desenhar, pintar, modelar já podem começar nessa fase e estimulam a criatividade, raciocínio e concentração. Os amigos imaginários aparecem por aqui e conversar com os pequenos nessa idade pode ser surpreendente! Lembrando, claro, que é importante manter um tom de voz adequado, estar na altura da criança, falar de forma alegre e abusar nas expressões faciais.

5 a 6 anos de idade:

Brincadeiras motoras (de movimento) e de representação (faz de conta) continuam e se aprimoram. As de representação se aprimoram de modo que se esvaem, ou seja, a criança já começa a percebê-la como ser pensante. Tem gostos e personalidade! A criança começa a reparar que pode produzir coisas para oferecer ao outro, então a pintura e os desenhos também se aprimoram e agora são presentes para os outros. Massinha é estimulante e outros materiais, como argila, terra e areia. Fase adequada para os instrumentos musicais fazerem mais sentido e desenvolverem habilidades. É a hora de pensar em um bichinho de estimação! Ensinar o cuidado, o carinho. Os esportes também são importantes agora, desenvolvem a musculatura, respiração, psicomotricidade, respeito às regras, hierarquia e senso de equipe.  Essa interação com outras crianças deve ser observada de modo especial, pois é a oportunidade que os pais têm para passarem valores e princípios para os pequenos. Outras brincadeiras divertidas e gostosas de brincar junto das crianças nessa idade são: pega-pega, esconde-esconde, o mestre mandou, pega palito, dança da cadeira… Viram como é possível se divertir sem a ajuda de brinquedos mirabolantes e os famosos vídeo games? Sabem aquelas brincadeiras que vocês, pais, brincavam na infância? É hora de relembrar e ensinar os filhos! Ah, e brincar com eles, claro.

7 a 8 anos de idade:

Fase das descobertas… De alfabetização mais intensa, brincadeiras em grupo, laços de amizade, dúvidas e mais dúvidas, curiosidade sobre tudo. Momento de vínculo e estímulo. Se nas fases anteriores foi tomado o cuidado de estimular a criança a brincar, desenvolver sua expressão, lidar com os conflitos e encontrar soluções pra eles, aqui será mais fácil de interagir com o filho. Nem só os brinquedos são importantes nessa idade. São essenciais atividades lúdicas, assistir filmes, estimular a leitura, construir objetos e brincar com eles, conhecer materiais novos, além de participar de atividades que exijam mais raciocínio lógico, como jogos de cartas e tabuleiro, revistas de passatempo e quebra-cabeças mais elaborados. Aqui também é importante se preocupar com o sedentarismo. Jogar vídeo game nessa fase é legal, a maioria das crianças dessa faixa etária já dominam o computador e todo tipo de jogos eletrônicos. Mas é importante ficar atento e conduzir o filho a se preocupar com a própria saúde. Leve a criança para o mar, leve para o parque, procure atividades ao ar livre e que estimulem movimentos corporais. Deixe os games para aqueles dias mais frios ou chuvosos. Além da fase da construção da aprendizagem, é também a da competição. A criança precisa de atividades que a introduzam no mundo social.

De 8 a 12 anos de idade:

Fase deliciosa… A criança interage muito, é esperta, competitiva, quer aprender sobre tudo e é curiosa. Aproveite e estimule muito! É o caminho para uma adolescência tranquila. Nessa idade a criança já é capaz de entender as regras. Bacana brincar mais com cartas, jogos de tabuleiros, e intensificar os esportes. Abuse dessa fase pra ensinar disciplina, obediência, tolerância às frustrações e, a habilidade de ‘saber perder’. Não deixe seu filho ganhar jogo algum de propósito. Ensine a ele que a vida nem sempre lhe será favorável, mas que ele pode sempre seguir em frente. Que nem sempre ele vai vencer, mas, se não tentar, não vencerá jamais. Ensine que ele precisa tolerar as outras pessoas e respeitá-las como são. Que ele jamais poderá mudá-las, mas que pode mudar o próprio comportamento em relação a elas, construindo relacionamentos saudáveis. Os jogos fazem com que a criança tenha consciência do outro, e a apresentam o mundo socializado, regido pelas regras. Estimule jogos e brincadeiras que envolvam além do esforço físico, estratégias e raciocínio mais elaborado, como xadrez, mímicas, entre outros.

Percebem quantas coisas importantes podem ser ensinadas aos filhos, brincando?! Brincar é fantástico.

Importante: essas são características gerais. Mesmo com idades, residências, momento de vida, estímulos e preocupações iguais, cada criança tem o próprio tempo de desenvolvimento. É preciso respeitar este tempo, observando o que é considerado esperado ou não para a idade, mas com cuidado. É essencial adaptar tudo, absolutamente tudo, para sua própria realidade e de seu filho. Use e abuse da criatividade, respeite os próprios limites e dos pequenos e divirta-se ao seu modo!

Lembre-se: atente-se à segurança da criança, promova um ambiente acolhedor, seguro, divertido e alegre. Ensine, apoie, estimule. Seu filho precisa disso! E mais, a capacidade intelectual de uma criança depende 70% dos estímulos recebidos até os 3 anos de idade. Aproveite e invista nesse tempo!

 

Talita Guedes Bittioli, psicóloga graduada pela Universidade Metodista de São Paulo, com extensão na abordagem Fenomenológico-Existencial. Palestrante em Escolas sobre diversos temas relacionados ao contexto Infantil, para pais e alunos. Ainda não é mãe, mas é apaixonada pela maternidade e principalmente pela Família.

Saiba mais sobre o trabalho de Talita aqui



Se você gostou desse post, não deixe de ler:

Cadê meu bebê? by Flavia on February 21st, 2012

Educar sem a força é possível? by Flavia on May 23rd, 2014

Carnaval e as crianças - Dicas da nutricionista by Flavia on February 14th, 2012