A difícil tarefa de criticar mães e grávidas que trabalham

A difícil tarefa de criticar mães e grávidas que trabalham

Por: Mariana Della Barba

Criticar a Telefônica é fácil. Reclamar da prefeitura também. Soltar o verbo contra as companhias aéreas, idem.

Mas e criticar mães? E mães que trabalham fora e que têm de equilibrar, de um jeito ou de outro, suas rotinas duplas ou triplas?

Aí, a história fica mais complicada. Eu nunca ousei. Não em público. Bem, não até agora.

Acontece que este é um blog corajoso. E eu vou tentar me inspirar nisso ao criticar uma atitude que me revolta e que é comum entre muitas mães – e grávidas! – que trabalham fora: a passividade na hora de brigar pelo que é certo.

A gente sempre ouve reclamações. Muitas. Sobre como o chefe não entende o que é estar grávida, como o RH ignora (ou finge ignorar) a lei para mães que ainda amamentam, como a licença maternidade de 6 meses é um sonho distante.

Diante disso, o que me irrita são essas mães e grávidas reclamonas, que aceitam imposições muitas vezes absurdas dos locais onde trabalham e sequer ousam perguntar, questionar. Seja por medo de perder o emprego ou de ser mal vista ou por preguiça, sei lá.

Já ouvi de uma mãe que ela não conseguia mais ir às reuniões da escolinha do filho porque elas sempre aconteciam num horário que é bem corrido em seu emprego. E daí? Ninguém é tão bom que não possa ser substituído, ainda mais porque seria apenas por um dia ou algumas horas.

Se você sair mais cedo um dia por semestre, ninguém vai sofrer. No máximo você terá um pouco de trabalho acumulado no dia seguinte. Mais que isso, talvez seu chefe ou seus subordinados não se incomodem em nada. Talvez seja um receio infundado. E é essa auto-censura que me mata.

Não estou aqui para dar lição em ninguém, óbvio. Mas acho que dá, sim, para se conseguir minivitórias no ambiente de trabalho. O que custa você perguntar, lembrar que a lei já prevê licença de 6 meses e licença amamentação, sugerir um horário flexível vez ou outra?

Acho que as mulheres ganham um estoque extra de coragem quando engravidam. Por isso mesmo, não custa nada arriscar um pouquinho para tentar conciliar melhor essa vida de mãe-mulher-profissional-blogueira…

Mariana Della Barba, jornalista, mãe do Theo e da Liz.  Reclamona e perguntadeira, sai em busca de novidades e boas ideias pros filhotes no blog www.maedarua.com.br